Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Florestal

Produtos: Orgânica Agro & Turfa Fértil

Pesquisa confirma plantio direto como prática conservacionista

Uma pesquisa de manejo de solo conduzida, por 20 anos, pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pela Universidade Federal Fluminense confirma a eficácia do sistema de plantio direto como prática de conservação do carbono no solo. O estudo mostra que o plantio convencional acumula cerca de duas vezes menos carbono orgânico no solo do que o plantio direto: sistema que preconiza a semeadura sem revolvimento do solo e cujos restos culturais da lavoura anterior permanecem sobre o solo como palhada de cobertura.

Mais que benefícios na conservação do solo, durante a 15ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-15), este mês, em Copenhague, na Dinamarca, pretende-se discutir o papel do plantio direto no cenário de mudanças climáticas globais como importante mecanismo para sequestrar carbono no solo. “Existe a necessidade de se gerar conhecimento para balizar a mensuração da emissão de gases de efeito estufa pela agricultura na região tropical e, inclusive, utilizar esses dados como subsídio para a elaboração de relatórios sobre mudanças climáticas”, afirmam os pesquisadores que conduziram a pesquisa: Beata Madari e Pedro Machado, da Embrapa Arroz e Feijão; Eleno Torres e Julio Franchini, da Embrapa Soja, e Renata Barreto, Adriana Costa e John Maddock, da Universidade Federal Fluminense.

O grupo pesquisou a correlação entre a emissão de gás carbônico para a atmosfera pelo solo e a presença de carbono acumulado pela matéria orgânica em macroagregados - conjunto de partículas que apresentam diferentes formas, graus de estabilidade e classificação de tamanho.

Para conduzir a pesquisa foram coletadas amostras de latossolo vermelho em 16 pontos, sob plantio direto e plantio convencional, do campo experimental da Embrapa Soja, em Londrina (PR). Nesta área, por 20 anos, houve sucessão de soja no verão e trigo no inverno. Nos últimos 12 anos, foi realizada rotação de cultivo de milho, no verão, e tremoço e aveia preta, como plantas de cobertura do solo, no período de inverno.

O experimento conclui que o solo, sob plantio direto contínuo, evita que 79,4 quilos de carbono hectare/hora sejam emitidos para a atmosfera. No solo sob plantio convencional, o desempenho foi 63,3% menor. A pesquisa mediu também amostras de solo do ambiente de floresta, como sistema de referência. O balanço do acúmulo de carbono pela matéria orgânica no solo alcançou saldo positivo de 875,1 quilos de carbono hectare/hora. “Apesar das áreas agrícolas emitirem gases de efeito estufa, os sistemas conservacionistas, como o plantio direto, são os que mais se aproximam do ambiente natural de floresta”, explicam os pesquisadores.

Jornalistas: Lebna Landgraf e Rodrigo P. Barros

Voltar

Florestal S.A.

Fábrica de Substâncias Húmicas e Escritório

Rodovia Luiz Rosso, 9997 - Fundos
Bairro Quarta Linha - Criciúma - SC

CEP: 88803-470

Fone: (48) 3524-3936 - Fax:

Fábrica de Substratos

Estrada Geral, SN
Bairro Fundo Grande – Bal. Arroio do Silva - SC

CEP: 88914-000

Fone: (48) 3524-3936 - Fax:

Webmail

desenvolvimento Burn web.studio